LONGA ESTRADA MOTO GRUPO

Longa Estrada Moto Grupo


 

logo

LONGA ESTRADA MOTO GRUPO

Longa Estrada Moto Grupo fundado em 2010 pelos remanescentes do Long Road Moto Clube.(L.R.M.C)

Seguindo a ideologia de liberdade com responsabilidade, o Longa Estrada Moto Grupo tem como objetivo não objetivar nada, simplesmente seguir em frete, devagar ou rápido não importa, pois o importante é se sentir bem.

Local Sede:

Cidade de Cuiabá

Estado de Mato Grosso

País Brasil

 

O Grupo não segue uma hierarquia, quando há decisões para serem tomadas estas são feitas através de reuniões onde através de pouca conversa chega-se a uma razão comum, e pronto!

 

NOSSO SITE É ATUALIZADO UMA VEZ POR MÊS, AS VEZES A CADA DOIS MESES, ÀS VEZES NEM ATUALIZAMOS...

Atualizado em Junho 2017


 

NOTÍCIAS

 

Freios combinados: como funciona sistema que corrige velho vício brasileiro

 

https://conteudo.imguol.com.br/c/entretenimento/38/2017/05/30/sistema-de-freios-combinados-da-honda-cg-titan-1496171468868_v2_900x506.jpgx

Sistema já é usado por streets como Honda CG 160 Titan e Yamaha YS 150 Fazer

Equipamento será obrigatório no país a partir de 2019 para motos abaixo de 300 cc, como opção mais barata ao ABS.

Em 2019 todas as motocicletas vendidas no Brasil deverão ser equipadas com sistemas de auxílio à frenagem. Para motos acima de 300 cc o conhecido sistema eletrônico ABS (antitravamento) será obrigatório. Já as motos abaixo de 300 cc adotarão um sistema mais simples e barato, mas ainda assim bastante eficaz: a frenagem combinada.
São duas receitas diferentes que visam a um mesmo objetivo: aumentar a segurança dos motociclistas. Motociclistas novatos e menos habilidosos serão os maiores beneficiados.
O ABS atua impedindo que o excesso de pressão aplicado aos comandos de freio resulte em arrasto dos pneus. Eliminando tal possibilidade, a perda de controle da motocicleta em frenagem torna-se improvável.
Já no sistema combinado, desenvolvido para as motos menores, a melhoria da frenagem acontece em função da ação simultânea dos freios: ao usar o pedal (normalmente dedicado apenas ao freio traseiro), parte da ação frenante também é direcionada ao freio dianteiro

Falha vem desde a moto-escola


No Brasil é disseminado o mito de que quem “manda” na frenagem da moto é o freio traseiro. Tal ignorância tem origem no nosso  sistema de concessão da CNH, a Carteira Nacional de Habilitação. O exame prático exigido, realizado em circuito fechado, não serve para nada a não ser provar que o candidato sabe conduzir em baixíssima velocidade seguindo um traçado desenhado no solo.
No treinamento dos candidatos ao exame os instrutores de moto-escolas aconselham apenas o uso do freio traseiro, acionado pelo pé direito, deixando à mão direita (onde há o comando do freio dianteiro) a tarefa de apenas usar o acelerador.
Tal conduta pode simplificar a vida do iniciante, mas planta uma “semente do mal” que faz com que boa parcela dos motociclistas não considere a utilização do freio dianteiro, inclusive acreditando que o seu uso é perigoso, pois a moto poderia capotar.
Treinar motociclistas iniciantes para frear de maneira correta é, obviamente, tão importante quanto verificar a capacidade de
equilíbrio sobre duas rodas em movimento. Todavia, mesmo sem termos um melhor padrão para a obtenção da CNH, a frenagem combinada para motos pequenas será uma importante salvaguarda para os novatos.


Fora do asfalto, a melhor opção


Não é só por causa do vício dos motociclistas brasileiros de apenas usar o freio traseiro que o sistema de frenagem combinada
acaba sendo efetivo para as motos pequenas.
Apenas 20% das vias brasileiras são pavimentadas e, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, onde o uso das pequenas
motonetas e motos é predominante, as ruas e estradas “de chão” são a realidade principal.
No uso em terreno de baixa aderência, a ação do sistema ABS impedindo o travamento poderia ter efeito indesejado e o tiro sairia pela culatra, pois o espaço de frenagem, ao invés de diminuir, aumentaria caso apenas o freio traseiro seja usado.
Já o sistema combinado não tem contraindicação no uso em estradas de terra. Aliás, oferece a mesma efetividade para redução dos espaços de frenagem independentemente de o piso ser pavimentado ou não.
De certa forma o sistema combinado educará “na marra” os usuários das pequenas utilitárias, pois os benefícios da frenagem mais efetiva em qualquer piso se tornarão evidentes. Além disso, o sistema combinado, por ser tecnicamente muito mais simples que o ABS, não torna a manutenção periódica mais complexa nem incide exageradamente no preço final do veículo.


E o ABS?


Já nas motos acima de 300 cc a obrigatoriedade do ABS é plenamente correta. Usado por condutores mais experientes e que em geral rodam em vias pavimentadas, o sistema tem o maior custo de manutenção diluído mais facilmente em veículos de maior valor.
Enfim, 2019 promete ser o ano em que todas as motos sairão de fábrica mais seguras, mas isso não implica que desde já os
consumidores mais atentos escolham suas novas montarias tendo como critério a existência destes sistemas de auxílio à frenagem, já presentes em modelos de todo tamanho.


Fonte:
O Motociclista/ Roberto Agresti
Colaboração para o UOL
30/05/2017 16h24

 

 

Imagens

 

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/9f/37/09/9f3709275d2099ff81e589a1ddb90387.jpg

 

 


 

vídeos 

 

 

 

banner

 

 

 

 

 


 

  https://i2.wp.com/eventosmotociclisticos.com.br/wp-content/uploads/2017/05/facebook_event_791302654362742.jpg?w=720

 

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
1



 

 

 


RÁDIOS BLUES

Foto de B.B King


 

PARCEIROS

Logo dos Midnight Riders Brasil

 

Baner

 


LINKS QUE RECOMENDAMOS

click

 


 Logo


 

 Meses Anteriores

click


 

 

 





Total de visitas: 134500